INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO

Olá amigos,

Esse blog é um espaço para a divulgação de notícias de uma forma geral envolvendo todo tipo de matéria sobre a comunicação e marketing católico.

Nos propomos a pesquisar tudo o que existe de matérias sobre a comunicação e marketing católico na web e em outras fontes de comunicação, concentrando-as nessa ferramenta que agora estamos disponibilizando, de forma a facilitar a pesquisa e coleta de informações pelas PASCOM de todas as Paróquias espalhadas pelo Brasil afora. Será também um espaço para divulgação de notícias das próprias PASCOM.

Dessa forma, esperamos que seja um meio onde se poderá encontrar, num só lugar, qualquer matéria publicada que envolva a comunicação e marketing dentro da nossa querida Igreja Católica.

Ajude-nos informando sobre suas atividades, eventos, seminários, encontros, retiros etc, que envolvam os meios de comunicação dentro da sua Paróquia, Vicariato ou Diocese.

Vamos à luta, com a graça de Deus e a força do Espírito Santo, pois COMUNICAÇÃO É EVANGELIZAÇÃO !

Por: José Vicente Ucha Campos

Contato:
jvucampos@gmail.com

domingo, 23 de novembro de 2014

A TECNOLOGIA NUNCA SUBSTITUIRÁ O AMOR


TECNOLOGIA

Ela invadiu nosso estilo de vida, nosso povo, nossa mente, é capaz de unir 

e de distanciar as pessoas


Enquanto escutava o Papa Francisco falar sobre a solidariedade, refletia sobre o fato que a tecnologia pode nos aproximar, mas também nos distanciar.

vida segue um rumo muitas vezes frenético, uma correria sem fim. Penso na época dos nossos avós, que viviam no campo e cultivavam a terra, época em que não existiam ainda computadores para todos, celulares e tantas tecnologias como hoje. Tudo parecia mais tranquilo e calmo, o dia tinha seu próprio tempo. 

Hoje, no ritmo do metrô, ônibus, taxi, trem, muitas vezes me deparo com cenas onde as pessoas estão de cabeça baixa, porque “conversam” com outras pelo celular. Nesses momentos me lembro da minha avó que me conta da sua juventude, onde as pessoas conversavam umas com as outras no trem, se conheciam, se importavam com quem estava ao lado.

A tecnologia invadiu nosso estilo de vida, nosso povo, nossa mente. Nos “aproxima”, quando falamos com alguém que está do outro lado do mundo. Nos distancia, porque o contato, o afeto, o toque, passou a ser “vivido” por meio de uma máquina, com botões, câmeras, smiles.

                                                                                               ©La Bioguida

Chegamos a permanecer inquietos quando acaba a bateria do celular ou "cai" a internet. Nos tornamos dependentes de uma “evolução” que não se cansa, porém corre.

tecnologia tornou-se algo que as pessoas não podem viver sem. É o desenvolvimento tecnológico que busca trazer soluções para os obstáculos de comunicação e substituir muitas, mas muitas coisas em nossas vidas. É por isso que algumas pessoas acreditam que ela torna possível o impossível. Enquanto isso, a sua forma mais avançada desenvolveu a maior saudade que temos, a saudade daquilo que a tecnologia nunca poderá substituir.

Se você acredita que o coração faz o mundo em que vivemos, permita que o seu coração se abra às pessoas ao seu redor, pois a tecnologia nunca substituirá o amor.

Este comercial lembra a única coisa que impulsiona a nossa vida para a frente. Confira:


Por: Clarissa Oliveira

Fonte: Aleteia

sábado, 22 de novembro de 2014

DOM CLÁUDIO MARIA CELLI: DAR TESTEMUNHO VIVO DE CRISTO NAS REDES SOCIAIS, NÃO APENAS ENCHÊ-LAS DE MENSAGENS RELIGIOSAS


O Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Mons. Claudio Maria Celli, animou os católicos a não terem medo de anunciar a Cristo nas redes sociais, e incentivou também a não “bombardear” estes canais com mensagens religiosas e sim a fazer-se presente com um testemunho valente e claro.

Assim o indicou o Prelado em entrevista concedida ao grupo ACI neste 18 de novembro na cidade de Lima (Peru), aonde se encontra para o 13° encontro continental da Rede de Informática da Igreja na América Latina (RIIAL) que se realiza até o sábado, 22.

Dom Celli disse que o próprio Papa Francisco, consciente dos “limites e perigos das redes sociais”, é quem encoraja este anúncio pois já existe uma “grande multidão de pessoas vive nelas e a tarefa da Igreja é fazer ressoar aqui a voz de Jesus. Que as pessoas possam encontrar Jesus e seu Evangelho”.

“Por que? Porque de repente estas nunca porão um pé na igreja. Se as testemunhas de Jesus forem fiéis, elas poderão testemunhá-lo. O mundo –recordou– está mais atento aos testemunhos que aos mestres, como dizia Paulo VI na Evangelii Nuntiandi”.

O Prelado precisou que este anúncio do Evangelho “não deve ser um bombardeio de mensagens religiosas a não ser um testemunho concreto, eficaz e verdadeiro das coisas nas que acreditam, do Jesucristo”.

Dom Celli afirmou ainda que em qualquer lugar do mundo e também na América Latina, “o discípulo do Senhor sabe o que tem no coração e não deve aguar a mensagem. Não pode reduzir os conteúdos profundos do Evangelho. Devemos, entretanto, respeitar o caminho e as dimensões religiosas dos outros”.

Recordando o que assinala o Santo Padre, o Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais afirmou que “a Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração e isso só se dá se formos testemunhas autênticas. Quero dizer a todos que não tenham medo de entrar nas redes sociais. Perguntemo-nos primeiro se fazemos vida o Evangelho para sermos testemunhas vivas”.

O bispo pôs como exemplo de testemunho do Evangelho o Papa Francisco: “em um mundo como o nosso onde pouco a pouco se esquece os idosos e os doentes, onde parece que o mundo é só dos jovens e belos, o Papa diz que é preciso sair ao encontro do homem de hoje”.

Este homem, prosseguiu, “está cansado e se sente sozinho e ferido, têm grandes dificuldades. O Papa nos diz que a comunicação deve fazer-se proximidade a este homem. A Igreja deve mostrar seu rosto maternal, expressar esta simpatia ao homem e à mulher de hoje. Que saiba dizer ao homem que Deus o ama ternamente. É um grande desafio”.

Para concluir, Dom Claudio Maria Celli disse que “uma das enfermidades modernas é que nos falta esperança. Nós, a Igreja, não somos os maiores nem os melhores do mundo, mas tentamos que Jesus esteja no profundo de nossa vida e queremos testemunhá-lo também no mundo digital. Esta é nossa tarefa –com a qual colaboramos em nosso Pontifício Conselho– anunciar a Jesus Cristo”.

Fonte: Acidigital

UM JORNALISTA DE "ZENIT" RECEBE O PRÊMIO "GIUSEPPE DE CARLI"

Salvatore Cernuzio segundo lugar na categoria jovens por um artigo da missa em Arizona com o cardeal O'Malley pelos migrantes falecidos na fronteira com o México


O jornalista da redação italiana de ZENIT, Salvatore Cernuzio, nesta quinta-feira, recebeu o segundo lugar na categoria ‘jovens’ na segunda edição do Prêmio jornalístico "Giuseppe De Carli". O artigo premiado foi publicado no mês de abril, e se intitula “Para dar de novo uma dignidade aos migrantes atraídos pelas areias do deserto”. A notícia fala sobre a missa presidida pelo cardeal O'Malley no Arizona para os 6000 homens, mulheres e crianças mortas na fronteira entre os EUA e o México.

A premiação foi realizada nesta quinta-feira à tarde na Pontifícia Faculdade de Teologia "São Boaventura" -Seraphicum que, junto com a Pontifícia Universidade da Santa Cruz, é sócio acadêmico da associação "Giuseppe De Carli", promotora do Prêmio instituído em memória do reconhecido vaticanista fundador da Rai Vaticano.
Os três vencedores foram Daniele Bellocchio do L'Espresso, na categoria ‘jovens’; Aldo Maria Valli do Tg1 RAI, na categoria 'video'; e Andrea Tornielli de La Stampa, na categoria "texto escrito".
Os vencedores receberam uma medalha de prata personalizada, que a Associação fez para “unir os mesmos premiados ao nome e ao profissionalismo de Giuseppe De Carli, como desejo de uma carreira dedicada ao ensino dos valores que caracterizaram seu serviço à verdade”. O evento começou com uma mesa redonda moderada por Vincenzo Morgante, diretor TGR Rai, que contou com a presença de mons. Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização; a jornalista espanhola Paloma Garcia Ovejero, correspondente da radio COPE e o vaticanista do Corriere della Sera, Gian Guido Vecchi.
Monsenhor Fisichella falou aos presentes sobre a comunicação e a nova evangelização e ofereceu uma visão do que a Igreja espera dos jornalistas. Dessa forma, destacou que “o vaticanista não se improvisa, como não se improvisa nada nunca na vida”. Além do mais, observou que um jornalista pode se apresentar como nome e meio de comunicação para o qual trabalha, “o nome está unido ao meio. O nome de um jornalista é mais do que o seu meio. Esse é uma referência”. Mas, esclareceu, o nome do jornalista refere-se de forma particular ao seu profissionalismo. E o profissionalismo é dado “pela capacidade de poder expressar a sua preparação, a sua vocação na coerência com o que foi a sua participação nessa missão”.  O presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, também afirmou que "a verdade precisa de investigação, a verdade precisa de sinceridade”. Para finalizar, deu algumas nuances sobre a importância do silêncio, afirmando que “o silêncio está na origem de toda linguagem e está na conclusão de cada linguagem”. E acrescentou que “se não se reflete, não se pode escrever”.
A jornalista espanhola, Paloma Garcia Ovejero, compartilhou a sua experiência sobre como informar sobre o Vaticano fora da Itália. A jornalista disse que nestes dois anos em Roma tem notado a diferença entre Espanha e Itália, na hora de informar sobre o Papa, Vaticano e a Igreja, observando, além do mais, que na Espanha não existe de uma forma tão específica o papel do “Vaticanista”. Trabalhar e ajudar a entender aos ouvintes como funciona o Vaticano, é parte do dia a dia. E deu uma chave sobre como realizar o seu trabalho, algo que o Papa faz muito bem, “usar imagens simples para explicar coisas profundas”. Outro conselho: “para 40 segundos de notícia bem feita 40 horas de estudo e silêncio”. Finalmente, apelou para a importância de sempre buscar a fonte e a verdade.
Para finalizar, Gian Guido Vecchi refletiu sobre como ver onde há e onde não há notícia. Em primeiro lugar advertiu que “o bem não passa necessariamente pelos jornais”, e que geralmente “o que faz notícia é o extraordinário”. A este respeito, acrescentou que o bem faz notícia quando é percebido como autêntico.
Durante o evento também se apresentou o livro “Dios es comunicación por excelência. Giuseppe De Carli, profesional al servicio de la verdad”, de Elisabetta Lo Iacono Giovanni e Trident (ESC 2014).

Fonte: Zenit

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

MUTIRÃO DE COMUNICAÇÃO DO SUL 4 ABORDA "UMA NOVA PARÓQUIA"


Representantes ligados à comunicação das dioceses de Joinville, Blumenau, Joaçaba, Tubarão, Criciúma, Caçador e da arquidiocese de Florianópolis (SC) estiveram reunidos, de 14 a 16 de novembro, no II Mutirão de Comunicação do regional Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que abrange o estado catarinense. O encontro foi realizado na arquidiocese de Florianópolis.
Inspirados pelo tema “Uma nova paróquia”, os mais de 80 participantes do evento, por meio de seminários e oficinas, tiveram a oportunidade de vivenciar o objetivo do mutirão: contribuir na formação dos agentes de pastoral a fim de que se fortaleça a ação evangelizadora da Igreja em Santa Catarina.
O evento teve início com a conferência do padre jesuíta Atílio Hartmann, que tratou sobre o tema do encontro. Segundo ele, “só há comunidade cristã onde se pratica a cultura do encontro”, e as novas mídias devem estar a serviço dessa cultura.
Os assessores da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, irmã Élide Fogolare e padre Clóvis de Melo Andrade,  falaram aos presentes sobre o Diretório de Comunicação. “A comunicação torna-se experiência de graça, quando se tem intimidade com Deus”, lembrou padre Clóvis. Já  irmã Élide destacou que a proposta de Jesus é dar o espaço ao Espírito Santo. Ela afirmou que os jovens são os sujeitos ativos da comunicação e que é preciso integrá-los nas pastorais.
No sábado, as atividades matutinas do Muticom foram encerradas com missa presidida pelo arcebispo de Santa Catarina, dom Wilson Tadeu Jönck, scj, e concelebrada pelo bispo da diocese de Joinville, dom Irineu Roque Scherer, e alguns padres. Em sua homilia, dom Wilson lembrou que “o principal instrumento de comunicação é o ser humano, o homem e mulher de fé. Nós não nos garantimos. Precisamos da força de Deus, da ajuda do Espírito Santo em nós”.
A tarde prosseguiu com os participantes divididos em oficinas. O lema “Construindo em Comunidade a Cultura do Encontro”, norteou e inspirou as oficinas de Comunicação e Catequese; Comunicação e Liturgia; Redes Sociais como estratégia Pastoral; Assessoria de Comunicação: A Serviço da Cultura do Encontro; e Pastoral da Comunicação.
No domingo pela manhã foram apresentados os trabalhos das oficinas e elaborada a carta do II Muticom. Uma celebração presidida pelo padre Joel Sávio e concelebrada pelo sacerdote Raul Kestring encerrou o encontro. O III Mutirão de Comunicação será em 2016, na diocese de Criciúma.
Com informações da arquidiocese de Florianópolis
Fonte: CNBB

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

INAUGURADO NOVO LOCAL PARA O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DA ARQRIO E PARA A CÚRIA METROPOLITANA DO RIO

Foto: Gustavo de Oliveira
                                                                                                                                          

Dando um grande avanço no trabalho pastoral da Arquidiocese do Rio, o Cardeal Orani João Tempesta inaugurou, no final da manhã do dia 11 de novembro, as novas instalações que abrigam o Sistema de Comunicação e a Cúria Metropolitana. Com as mudanças, o novo endereço de ambos é o 7º andar do Edifício João Paulo II, na Glória.
As cerimônias de bênção de cada um dos setores, que aconteceram no final da reunião semanal do governo arquidiocesano, reuniram todos os bispos auxiliares, vigários episcopais e colaboradores. 

Na bênção da Cúria, o moderador, Dom Luiz Henrique da Silva Brito, e o chanceler, monsenhor Helio Pacheco, ressaltaram a alegria de terem um novo espaço para organizarem melhor o trabalho e arquivo. 

“Agradeço muito a Dom Orani por ter sido tão sensível à importância e à necessidade de um espaço mais adequado. Agora, poderemos melhorar ainda mais o espaço e ter uma Cúria condizente com a realidade de nossa arquidiocese. A Cúria desenvolve um trabalho essencial na vida da Igreja Arquidiocesana, arquivando documentos importantes, atendendo sacerdotes e outros serviços”, explicou Dom Luiz. 

Já no espaço do Sistema de Comunicação, a celebração de bênção conduzida também por Dom Orani foi apresentada pelo reitor do Santuário Arquidiocesano do Cristo Redentor, padre Omar Raposo. As preces espontâneas foram realizadas por jornalistas representantes dos veículos. 

Estão alocados no novo setor de comunicação, as equipes de assessoria de imprensa, Portal ArqRio, jornal “Testemunho de Fé”, WebTV Redentor, comunicação e ações sociais ligadas ao Cristo Redentor, Jornalismo da Rádio Catedral FM 106,7, mídias da arquidiocese, administração do Vicariato para a Comunicação Social (Vicom), além de um espaço para a redação da Redevida.

Construtores de um mundo melhor 

Em suas palavras, Dom Orani reforçou que cada um dos profissionais e pessoas ligadas ao trabalho de comunicação deve ser compromissado com o anúncio da verdade. 

“Esse projeto teve como grande objetivo criar uma comunicação integrada, sem divisões. Agora, somos um só. Nossa missão é fazer ecoar as respostas necessárias para o esclarecimento das pessoas e também evangelizar sem fronteiras. Somos chamados a ter a simplicidade, mas também a sagacidade de acreditar naquilo que fazemos. Que esse lugar nos ajude a construir um mundo melhor”, disse.

Ao fim, o cardeal aspergiu água benta em todo o espaço e visitou cada uma das instalações, acompanhado dos bispos e visitantes. Coroando a comemoração, foi oferecido pelo Vicom um coquetel de confraternização. 

Unidade por um ideal

Para os profissionais que trabalham no novo local, a experiência de uma redação que reúna todos os colegas e seus meios de comunicação é uma novidade, que proporciona uma convivência maior na rotina diária.

“A inauguração do espaço é um momento muito especial para a comunicação da arquidiocese. Não apenas por termos um espaço físico só nosso, mas porque isto permite uma integração maior entre os profissionais. Os laços se estreitam, a troca de pautas fica mais fácil. Tenho certeza de que este é apenas o primeiro passo para que o Sistema de Comunicação da Arquidiocese do Rio de Janeiro cresça ainda mais”, afirmou Raquel Araujo, repórter da WebTV Redentor.

Para Natassha Cotts, da equipe do jornal “Testemunho de Fé”, a nova proposta de trabalho vem fortalecer a missão de anunciar a palavra de Deus e a missão evangelizadora da Igreja. “Quem se comunica se faz próximo. A transferência da comunicação da arquidiocese para o mesmo andar é uma resposta concreta ao que o nosso cardeal possui como lema: ‘Que Todos Sejam Um’. Com essa maior integração entre os setores, fortaleceu o trabalho em prol do anúncio da palavra de Deus. Assim como o Santo Padre tem nos exortado para que possamos continuar nos esforçando na promoção da cultura do encontro”, frisou. 

As instalações

O projeto de criar um espaço próprio para reunir os veículos de comunicação já era um antigo sonho do Cardeal Orani Tempesta, que foi concretizado pelos esforços do cônego Marcos William Bernardo, vigário episcopal do Vicariato para a Comunicação Social.

Com uma proposta de integração, todos os profissionais estão organizados por setores, mas ocupando um grande espaço, onde foi construída uma grande redação. No local funcionou a sede do Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude Rio2013.

“O novo espaço é bem mais amplo e proporciona um ambiente de mais conforto e infraestrutura para os profissionais na hora de desenvolverem suas atividades. As equipes ficaram mais próximas, possibilitando a troca de experiências”, Gisele Barros, do jornal “Testemunho de Fé”.
Fonte: ARQRIO

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PAPA FRANCISCO É UM "FENÔMENO GLOBAL" NA COMUNICAÇÃO, AFIRMA PESQUISA


A internet ama o Papa Francisco: as palavras, os gestos e a humanidade sorridente do papa atravessam a rede e chegam ao mundo inteiro, passando por cima de fronteiras e até de filiações religiosas. O papa que veio “quase do fim do mundo” é um “fenômeno global” em termos de comunicação, tanto “do ponto de vista geográfico quanto no alcance multicanal”.
Francisco foi capa da revista Time como personalidade do ano. Ele reuniu mais de 16 milhões de seguidores no Twitter. Agora,o estudo “A internetama o Papa Francisco” confirma a popularidade e a grande eficácia comunicativa do 266º bispo de Roma. A pesquisa foi encomendada pela Aleteia à consultoria 3rdPlace.
A 3rdPlace mediu o número de pesquisas e menções ao pontífice na internet o “grau de fidelidade” dos usuários que o seguem, além de identificar as principais temáticas e os assuntos mais frequentemente associados ao Papa Francisco em escala global.
Uma etapa seguinte da pesquisa se concentrou mais especificamente na Itália e no bloco EUA- Reino Unido.
O estudo mostrou que, globalmente, o Papa Francisco foi o personagem que gerou o maior volume de buscas mensais no Google (1.737.300) e o mais mencionado na rede (mais de 49 milhões de vezes) em comparação com alguns dos líderes mundiais mais influentes e populares em 2013, como Barack Obama, Vladimir Putin e Angela Merkel. As menções ao papa têm uma distribuição geográfica mais global e homogênea, sem apresentar uma concentração particular em determinada região, ao contrário de figuras públicas como Obama, que concentra 52% das referências nos EUA.
Embora o Papa Francisco tenha acabado de celebrar o seu 77º aniversário, ele concorre com força com alguns dos jovens ídolos do mundo do entretenimento e do esporte: em uma análise do número de menções globais, Francisco aparece em terceiro lugar geral, depois da banda OneDirection (78 milhões) e do cantor Justin Bieber (53 milhões). Na Itália, o papa domina a lista com folga: são 750.833 menções.O segundo lugar é da mesma OneDirection, que tem 596.464 referências.
Alguns líderes entenderam antes que outros a eficácia da internet para veicular a sua imagem e reforçar a sua influência política, mas o Papa Francisco bate todos eles em capacidade de interação. No Twitter, por exemplo, o estudo da 3rdPlace sobre as contas “Pontifex” em várias línguas observa que, com uma frequência de publicação média de 0,79 tuítes por dia, o papa alcançaum índice de engajamento médio de 6.637. A conta de Barack Obama atinge uma média de engajamento de 2.309, apesar de publicar em média 7,76 tuítes por dia.
A motivação para este nível de interação, dizem os autores da pesquisa, provavelmente deve ser procurada “no modo como o papa se relaciona com o meio digital: enquanto Obama e outros líderes usam o Twitter para ‘distribuir’ seu conteúdo, Francisco o usa para conversar e para se aproximar dos fiéis, conseguindo resultados melhores e mais eficazes”.
Um caso diferente é o do Facebook. O Papa Francisco não está presente nessa rede social. Mesmo assim, ele foi o “assunto” mais discutido de 2013 no Facebook. A página não oficial do papa no site de Mark Zuckerberg apresenta uma porcentagem de seguidores fidelizados mais ativa (com engajamento médio de 26%) que a de outros líderes (Obama tem 2% e o político italiano Beppe Grillo tem 22%, por exemplo).
O estudo sobre o papa Bergoglio foi apresentado em 28 de janeiro no Hotel Columbus, em Roma, durante a conferência social “O futuro da comunicação é responsável”, organizado pela Aleteia.org e pela rede de publicidade AdEthic.
Fonte: Comunidade Shalom/Blog Carmadélio

terça-feira, 11 de novembro de 2014

MANUSCRITO DO "TERCEIRO SEGREDO DE FÁTIMA" ESTÁ ON-LINE E ACESSÍVEL PELA INTERNET


A porta-voz do santuário de Fátima, Leopoldina Reis Simões, confirmou telefonicamente à ZENIT a iniciativa e indicou que foi realizada utilizando as novas tecnologias de modo que a exposição seja acessível ao maior número de pessoas e não somente aos milhares de peregrinos que vêm pessoalmente ao santuário, que até o dia 13 de julho foram 107.057 visitantes.
A porta-voz também emitiu uma declaração indicando que a abertura coincide com o mês em que a Virgem Maria revelou aos três pastorzinhos – Lúcia, Francisco e Jacinta – o chamado segredo de Fátima.
“O segredo e a revelação”, destaca as três partes  do chamado segredo de Fátima, e mostra, pela primeira vez ao público o manuscrito do Terceiro Segredo, escrito pela vidente Lúcia, pertencente aos arquivos da Congregação para a Doutrina da Fé e que está exposto em Fátima graças à autorização dada pelo Papa Francisco.
A exposição é guiada pela interpretação teológica do Segredo de Fátima que fez o cardeal Joseph Ratzinger, e que leva o visitante a entrar nas três partes da mensagem, intitulada: “A visão do inferno”, “O Coração Imaculado de Maria”, e “A Igreja mártir”.
“Tomando como lema a aparição do mês de julho de 1917, o Santuário de Fátima apresenta, através da documentação histórica e do legado artístico, um dos temas mais importantes de Fátima: o segredo que desde a Cova da Iria leva à contemplação de todo o mundo contemporâneo”, disse o diretor de estudos e curador da exposição, Marco Daniel Duarte.
Para aqueles que podem viajar para a Cova da Iria, “O segredo e a revelação” permanecerá aberto ao público até o final de outubro, com entrada franca entre as 9 e as 19 hs, no nível mais baixo da Basílica da Santíssima Trindade no Convivium de Santo Agostinho.
Fonte: Comunidade Shalom/Blog Carmadélio

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

"CATHOLIC VOICES" - EM DEFESA DA FÉ SEM LEVANTAR A VOZ


História de uma rede criada há quatro anos no Reino Unido depois da visita de Bento XVI

A viagem apostólica do Papa Bento XVI ao Reino Unido, em setembro de 2010, foi precedida por várias polêmicas, tanto nas ruas quanto na mídia. Não importa o quão paradoxal seja mas, em uma cultura que se orgulha de suas aberturas, parecia não haver espaço para o chefe da Igreja Católica.

Neste contexto, Austen Ivereigh e Jack Valero, dois católicos que trabalham no mundo da comunicação, não desanimaram, reuniram uns trinta "ordinary catholics”, que em 6 meses de Media Training transformaram-se em capazes comunicadores da própria fé sobre os temas mais quentes da atualidade. Foi um sucesso: as “vozes católicas”, formadas para transmitir da forma mais eficaz a mensagem cristã por meio da mídia, deram mais de 100 entrevistas radio/TV, contribuindo para melhorar de forma significativa a imagem da Igreja no Reino Unido.
Assim nascia Catholic Voices que ao longo dos últimos quatro anos se expandiu para 15 países. Recentemente também na Itália. Para conhecer melhor esta realidade entrevistamos Martina Pastorelli, fundadora de Catholic Voices Itália e responsável do livro que explica o método, intitulado “Come defender la fede senza alzare la você” (Como defender a fé sem levantar a voz”) ed. Lindau.

ZENIT: Por que Catholic Voices Itália?
Martina Pastorelli: Tudo vem de uma experiência muito pessoal. Casada com um incrédulo e rodeada de amigos liberais, encontrei-me cada vez mais chamada à causa para defender a minha fé, como um dever de ter que "justificar" certas posições da Igreja. No começo, eram confrontos animados, dos quais eu saía desanimada e sentindo-me incompreendida, até que um belo dia a reação muda e escuto: “É assim que aqueles como vocês conseguirão levar para o seu lado, em certos temas, pessoas como nós”. O que tinha acontecido? Que nesse meio tempo eu havia encontrado Catholic Voices e apliquei o método, que explica como a linguagem e o modo como nos posicionamos façam a diferença. Trata-se da pausa do café no bar com os colegas mais do que de um debate público, o católico do grupo termina muitas vezes tendo que prestar contas da sua fé. Eis que, nestas circunstâncias, saber argumentar de modo humano, claro e tranquilo é essencial. O Papa Francisco, entre outros, nos mostra isso todos os dias.

ZENIT: Qual é a força do método de Catholic Voices?
Martina Pastorelli: O método, chamado de reframing, ensina a identificar em toda crítica à Igreja, até a mais hostil, uma intenção positiva, um valor que é quase sempre (mesmo inconscientemente) cristão e parte deste terreno comum para reformular o argumento e fazer refletir. É um método que lhe permite escapar da lógica do conflito para pôr de lado a agressão e a vitimização, e apelar para a razão, o bom senso. Para entrar em um relacionamento antes de tudo humano com o outro. Criar empatia, que é a base de todo o diálogo.

ZENIT: Podemos dizer que o projeto Catholic Voices realiza uma nova forma de apologética?
Martina Pastorelli: Sim, uma nova apologética, que sabe falar à sociedade de hoje, também através dos seus meios de comunicação, tão centrais. Trata-se de equipar os católicos, ajuda-los a explicar da forma mais eficaz os valores nos quais cremos e o compromisso autêntico da Igreja pelo bem comum. O objetivo é conseguir dialogar com todos, crentes e não, sobre temas que tocam toda a sociedade, justamente porque está em jogo o bem da mesma sociedade. Fazendo assim acolhemos o convite do Papa Francisco que chamou os cristãos “a dialogar com aqueles que não pensam como nós, com aqueles que têm outra fé ou que não têm fé”. O Papa nos recordou que podemos ir ao encontro de todos sem medo e sem renunciar nossa fé.

ZENIT: Quais as principais iniciativas de Catholic Voice na Itália?
Martina Pastorelli: Catholic Voices se articula por meio de cursos de treinamento para aqueles que trabalham no debate público (o primeiro acontecerá em Roma daqui a poucos dias), mas está destinado também a um público mais vasto com o livro “Come defender la fede senza alzare la você”, que aplica o métoco do reframing aos temas mais controvertidos e sugere os pontos chaves que devem ser evidenciados para explicar a posição da Igreja, conseguir vencer os preconceitos e recomeçar o diálogo com humanidade e bom senso.

ZENIT: Qual é a relação do Catholic Voices com a hierarquia católica?
Martina Pastorelli: Catholic Voices não fala oficialmente em nome da Igreja, mas tem a benção e respeita toda a liderança e a doutrina. Em todo o mundo recebeu ampla aceitação entre os bispos e os máximos representantes da Igreja: por exemplo, penso no Cardeal e Arcebispo de Nova York, Dolan, grande fã do projeto ou o Arcebispo de Westminster, que definiu de “crucial” a tentativa de CV de colocar juntos fé e razão no debate público.

Fonte: Matéria reproduzida do site da Zenit

domingo, 9 de novembro de 2014

"NÃO TENHAM MEDO" DE DAR TESTEMUNHO DE DEUS NAS REDES SOCIAIS, PEDE BISPO MEXICANO



ROMA, 05 Nov. 14 - Na conferência “Redes Sociais e Formação Religiosa”, celebrada na Pontifícia Universidade Lateranense de Roma em 30 de outubro, o Secretário dos Seminários da Congregação para o Clero, Dom Jorge Patrón Wong, convidou os fiéis a compartilharem “sem medo” a experiência da vida cristã nas redes sociais.

Em uma entrevista concedida ao Grupo ACI o Prelado mexicano convidou os fiéis a estarem presentes nas redes sociais e compartilharem “o que fazemos todos os dias”.

“A vida do cristão é uma vida de trabalho, de oração, de alegria, também de tristeza, de vida, de seguimento de Jesus, é preciso transmitir e viver isso também nas redes sociais, não ter medo!”, animou.

Dom Patrón, que é muito ativo no seu perfil do Twitter, explica que a experiência de proximidade com Jesus precisa ser comunicada por todos os meios, e recorda que as redes sociais devem refletir o testemunho e a vida interior de cada um. “O interior e o exterior devem estar totalmente relacionados, assim como a vida divina e a vida humana de Jesus estiveram totalmente relacionadas em uma palavra que se chama amor. Sempre transmitimos e vivemos o amor de Deus”, disse.

Dom Patrón Wong recorda que a vida de um cristão é uma experiência pessoal com Jesus e “devemos comunicar essa experiência como sempre o fizemos, através das palavras, dos gestos, da arte, e hoje Deus nos pede fazê-lo através dos meios digitais: através do Facebook, do Twitter, e de todo o mundo da internet”, assinalou.

Dom Patrón Wong, nomeado recentemente pelo Papa Francisco como novo consultor da Congregação para a Evangelização dos Povos, afirmou que é preciso formar o coração dos seminaristas para que se assemelhe o máximo possível ao de Cristo.

“Se o nosso coração for o coração de Deus, tenha a segurança de que poderemos usar muito bem os meios de comunicação. Mas se o nosso coração está sujo, está cheio de rancor, de ódio, de traumas, de feridas, evidentemente isso não vai acontecer. Então, o que necessitamos, é que Jesus entre no nosso coração e do amor a Jesus, da presença do amor de Deus, ter toda a liberdade que dá para comunicarmos e vivermos o Evangelho”, concluiu.

Fonte: Acidigital

sábado, 8 de novembro de 2014


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

REGIONAL LESTE 1 PROMOVERÁ FORMAÇÃO PARA PASCOM


Os agentes da Pastoral da Comunicação das dioceses do Regional Leste 1 da CNBB, bem como todos aqueles que atuem em comunicação eclesial, seja em uma pastoral específica, comunidade e organismo (sacerdotes, religiosos e leigos), são convidados a participar do encontro de formação e planejamento da Pascom. O evento acontecerá de 27 de fevereiro a 1 de março de 2015, na Casa de Retiros do Atalaia, na Arquidiocese de Niterói (Rua Bispo Dom João da Mata, 33. Alto do Atalaia - Ititioca - Niterói).

As inscrições foram abertas no dia 3 de novembro e serão encerradas no dia 01 de fevereiro de 2015. O investimento é de R$ 150,00 por pessoa. Aqueles que residirem perto e não quiserem dormir no local pagarão R$120,00.
O tema será: A comunicação da Igreja no Brasil à luz do diretório de comunicação na cultura da era digitalA programação será dirigida pelos assessores nacionais da Pascom, Ir. Élide e Padre Clóvis. 

Incrições através do link: https://docs.google.com/forms/d/1VzaAOZWgMRPjvk94DQTVS20DNQRexkpnk-oCUZbxLAo/viewform?c=0&w=1 
Fonte: CNBB

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

BRASIL LIDERA EM NÚMERO DE CRIANÇAS E JOVENS QUE ACESSAM AS REDES SOCIAIS

                                                                  Foto: Reprodução Boletim CEPAL-UNICEF


Na América Latina, estima-se que 60% das crianças ganham o seu primeiro telefone celular aos 12 anos e que uma em cada cinco utiliza a Internet mais de duas horas ao dia. Esse acesso cada vez mais presente na vida de meninos, meninas e adolescentes na região, feito de forma segura em relação às tecnologias de informação e comunicação (TICs), pode ser um aliado na garantia do cumprimento de seus direitos, destacaram duas agências da ONU nesta sexta-feira (31).
As TICs, em particular a Internet, exercem ingerência direta ou indireta sobre as garantias estabelecidas na Convenção sobre os Direitos das Crianças (CDN), como a liberdade de expressão e os direitos à informação, livre associação e identidade. Para oferecer um panorama de sua permeação no continente, a publicação conjunta divulgada pela Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (CEPAL) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) reúne dados estatísticos e a descrição de casos práticos de suas incidências na vida de crianças e jovens.
No documento, ambas as organizações incentivam uma série de políticas orientadas a aproveitar ao máximo o potencial das TICs para o desenvolvimento da população infantil e juvenil, minimizando os riscos associados ao ciberespaço.
Entre estas políticas, o relatório “Os direitos da infância na era da internet — América Latina e as novas tecnologias” propõe a necessidade de ampliar o acesso às TICs na infância e incentivar seu uso além do âmbito educativo. Isso significa a promoção de uma Internet mais segura e a identificação de suas ameaças, bem como a implicação dos desenvolvedores de programas e a produção de evidência empírica e contextualizada regionalmente.


Presença expressiva de crianças nas redes sociais 
A desigualdade estrutural da América Latina e o Caribe impede de definir toda a população infantil e juvenil como nativa digital, mas as TICs permeiam o cotidiano das famílias latinas através da disponibilidade de computadores, conexões de Internet e telefones celulares nos lares, indica o Boletim Desafios CEPAL-UNICEF, que também aborda os direitos da infância na era digital.
Segundo as estatísticas, as crianças da região acessam a Internet majoritariamente de casa (49%) e da escola (46%), sendo esta última a principal porta de acesso em certos países como o Brasil, Colômbia e Peru. Em outros, o uso de cibercafés continua apresentando dados relevantes.
Quanto ao uso de telefones celulares, 80% dos adolescentes no Chile, entre 13 e 18 anos, possuem um aparelho próprio. Já o Brasil lidera em número de meninos e meninas entre 9 e 16 anos que acessam as redes sociais, superando inclusive as cifras de países europeus, cuja média é de 9%.
As estatísticas mostram que esse número é alto desde cedo entre meninas e meninos brasileiros: 42% já tem presença nas redes sociais com 9 e 10 anos, seguidos de 71% entre 11 e 12 anos, 80% entre 13 e 14 e 83% entre 15 e 16.
Para as organizações, as TICs abrem um leque de oportunidades de criação de conteúdo próprio em diferentes formatos para as novas gerações, incentivando habilidades sociais, de comunicação, criatividade e interatividade. O relatório destaca, como exemplo, as manifestações de descontentamento da população juvenil com o aumento do transporte e com os gastos com a Copa do Mundo; e a força de mobilização dessas plataformas para convocar protestos ou os chamados ‘rolezinhos’, manifestações em espaços como shoppings.


Combate aos riscos de exposição
No entanto, o relatório menciona que o acesso mais universal dessas tecnologias também implica riscos que precisam ser lidados com atenção. Entre eles, o acesso à pornografia, aos jogos de azar e o assédio de adultos para fins sexuais, bem como o ciberassédio ou cyberbullying.
O documento conclui enfatizando os desafios existentes na busca desse difícil equilíbrio entre a proteção e o empoderamento das crianças e adolescentes online. Uma das medidas seria implicar tanto aos educadores – responsáveis e a escola –, como aqueles que produzem conteúdos ou aplicativos, na introdução de material apropriado conforme a faixa etária.
Por fim, ressalta a importância de uma sistematização da informação regional para poder conhecer o alcance real das novas tecnologias nas vidas das crianças e adolescentes da América Latina e no Caribe.
 Source: ONU
Fonte: Comunidade Shalom

sábado, 1 de novembro de 2014

PORTAL A12 LANÇA CANAL PARA EVANGELIZAÇÃO EM LIBRAS


Como evangelizar surdos através da internet? Pensando nisso surgiu a parceria entre o A12.com e a TVEFFATA.
Trata-se de um canal especial que reúne vídeos e informações para surdos, com o objetivo de prestar um serviço de catequese e educação litúrgica, através da Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS).
O novo canal do Portal A12 também é um espaço para educação e aprendizagem da LIBRAS.
Através do endereço www.A12.com/libras é possível encontrar uma lista de vídeos com evangelhos da semana, a apresentação do projeto e as principais orações.
De acordo com Rogério Santos, grande idealizador deste projeto, o canal nasce de sua paixão pela LIBRAS, que começou há cerca de 14 anos.
“Será uma experiência inovadora, já que não existe hoje um ‘programa’ em nenhum tipo de mídia totalmente feito em libras e com o objetivo de evangelizar e também de ajudar àqueles que queiram aprender esta língua tão maravilhosa, a LIBRAS”, afirmou Rogério.
Navegando no canal de libras, o internauta também encontra ‘Sinal de Hoje’, onde será possível aprender novos sinais da Linguagem Brasileira de Sinais, além do Evangelho, Catequese e as orações, todos em multimídia.
“Com a graça de Deus espero que este trabalho chegue a surdos e intérpretes como uma ferramenta de evangelização e apoio”, finalizou Rogério.
TVEFFATA
Effata significa ‘Abre-te’ e quando Jesus pronunciou esta palavra para aquele surdo, ele passou a ouvir. ‘Uma abertura aos outros e ao mundo’ (Papa Bento 16).
O objetivo é levar aos surdos um conteúdo evangelizador usando a expressão que o próprio Jesus usou para que o surdo pudesse ter acesso à tua Palavra.
Rogério Santos já possui muitos trabalhos na área de LIBRAS com cursos na Federação Nacional de Educação e Integração do Surdo, pós - graduação em Libras e Educação dos Surdos, além de ser intérprete e professor.
Fonte: CNBB

terça-feira, 28 de outubro de 2014

SANTUÁRIO NACIONAL LANÇA SITE DO JUBILEU DE NOSSA SENHORA


O Santuário Nacional lançou o site do Jubileu "300 anos de bênçãos" de Nossa Senhora Aparecida, vinculado ao portal A12.com. Essa será a página oficial de divulgação de todas as informações referentes à grande celebração prevista para 2017. A página estreou no dia 20 de outubro, marcando o primeiro ano do triênio preparatório para o aniversário de 300 anos de encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, que ocorreu em 1717 no rio Paraíba do Sul.
Além de notícias e multimídia, o site disponibiliza a Oração Jubilar, preparada especialmente para este momento, wallpaper oficial, fotos de capa e avatar de Facebook para download.
Imagem peregrina
Durante o triênio preparatório dos 300 anos, imagens peregrinas estão sendo enviadas a diversas arqui(dioceses) de todo o país, e missionários redentoristas levam a cada capital uma imagem fac símileda padroeira. Em todas as capitais, porções de terra serão recolhidas para compor uma coroa que será produzida para o Jubileu. O itinerário das imagens peregrinas pode ser acessado por meio da "Agenda Peregrina" - um infográfico animado produzido para o site dos 300 anos.
Campanário
Em 2016 será inaugurado o Campanário do Santuário Nacional - sinos estão sendo fabricados na Holanda especialmente para esta obra que foi projetada com a marca de Oscar Niemeyer. A inauguração do campanário está prevista para o dia 12 de outubro de 2016, na abertura do Ano Jubilar em comemoração aos 300 anos da aparição.
Visite o site: www.a12.com/300anos 
Fonte: CNBB